Com um projeto único a nível nacional e internacional, o novo espaço é uma mistura de museu e atelier, onde é possível criar peças únicas e personalizadas ao gosto do cliente.

Com 20 e 22 anos, respetivamente, Ana e Plínio Leal, fundadores da André Ópticas, abriram a primeira loja em 1981, em Oeiras. André, filho do casal, na altura com apenas três meses, foi a inspiração para o nome da loja e hoje segue com o negócio de família que conta já com sete lojas, todas com conceitos diferentes.

A mais recente fica no coração de Lisboa e é a segunda loja no Chiado. Mais do que uma loja, o novo espaço é também uma mistura de museu e atelier, onde é possível criar peças únicas e personalizadas ao gosto do cliente. Com um projeto único a nível nacional e internacional, a loja junta peças vintage e tailormade no mesmo espaço, exibindo um verdadeiro legado de família. Com assinatura de Joana Astolfi, cliente e amiga da marca e da família, a decoração do primeiro piso foi inspirada nos antigos cabinet de curiosités, com peças desenhadas propositadamente para esta loja ou com anos de história, como as dezenas de óculos raros que a família tem vindo a colecionar nas últimas décadas. No piso de baixo fica o atelier, com todas as ferramentas, materiais e livros técnicos, onde o cliente pode assistir à produção manual dos seus óculos, com toda a mestria e savoir faire das técnicas artesanais do fabrico de óculos. Tudo é possível, desde produzir uma peça pensada e desenhada pelo cliente, até à reprodução de um modelo antigo, considerando sempre as medidas anatómicas.

Com a convicção de que o futuro está na diferenciação, a insígnia Family Affair, criada especialmente para este projeto, é a nova aposta da André Ópticas e promete elevar a marca e a própria indústria, continuando a investir em palavras-chave que definem a marca, como experiência, savoir faire e alma.